Redes móveis v2.0

Actualmente já é possível fazer-se bem a vida sem uma rede móvel. Eu quis testar isso mesmo, e passei o mês inteiro de Janeiro sem fazer uso do cartão da Vodafone. Continuei a falar com as mesmas pessoas de sempre, enviei mensagens, fiz chamadas, enviei fotos, fiz tudo igual. Mas sem gastar um cêntimo nem ter de depender da Vodafone para nada.

image

Já ando neste mundo dos telemóveis desde o final dos anos 90, é um mundo que sempre me interessou por causa principalmente da possibilidade de aproximar as pessoas onde quer que elas estejam, principalmente nos últimos anos com as novas gerações da tecnologia. O que nem sempre é positivo, mas isso deixo para outro post. Só não me perguntem quantos telemóveis já tive até hoje porque não sei a resposta. Já tive dias em que comprei 3 diferentes. O que tive mais tempo foi o meu iPhone4S que tive antes deste actual Samsung Galaxy tab, por uns longos (para mim) 6 meses. Aponto para entre uns 300 a 500. E não digo isto em modo bajulativo, é apenas para verem que é uma coisa de que realmente gosto e pelo qual me interesso.
Com a actual massificação dos smartphones sejam eles iPhones ou Androids, Blackberries ou WindowsPhones, e todas as aplicações que existem hoje em dia, prevejo um futuro MUITO negro para as redes de telemóvel actuais. Para que é que ainda nos servem hoje em dia? Todos temos a possibilidade de falar de borla com outras pessoas que também tenham smartphones ou tablet. Seja por voz, video, imagem, ou por mensagem, há centenas de apps como o skype ou o whatsapp que substituem a 90% a falta que as redes móveis nos faziam até há poucos anos. Só ainda não substituem as redes móveis a 100% porque ainda há alguns resistentes (infoexcluídos) da velha guarda que não usam esse tipo de tecnologia, nem imaginam que existe.
Mas o que eu quero deixar bem claro é que: As redes móveis, se continuarem a cobrar pelas chamadas e pelas sms como até agora, vão ser como as k7/minidisc VS mp3: vão passar a ser tecnologia do passado com pouca gente a usar. Porque quem é que no seu bel juízo prefere dar mais de 1€ por uma mms para outra rede, quando o pode fazer de borla via whatsapp? Ou telefonar via videochamada por um balurdio, quando o pode fazer de borla de/para qualquer lugar do mundo sem gastar um cêntimo?
Aposto que vão começar a surgir em breve as primeiras “redes de telemóvel online”, onde os serviços baseiam-se todos em volta das redes e apps sociais (como o whatsapp, o facebook messenger, o google+, etc), e de chamadas SIP (como o Skype).

Espero que elas (Vodafone, Optimus e TMN) vejam este post, who knows? Agora é a hora de vocês se mexerem. SMS de borla para todas as redes é a primeira coisa que devem dar aos vossos clientes, pelo menos aos mais “tecnologicamente inteligentes”, porque esses vão ser os primeiros a deixar de pagar por algo que se pode fazer gratuitamente e muitas vezes com mais qualidade.

Apple, novamente a Apple!

apple

Não sei se já repararam nos últimos 3 dias, mas a App Store passou a dificultar a vida aos utilizadores de iPhones, iPads e iTouches.

Antigamente quando queriam fazer download de uma qualquer app apareciam as opções “GRATUITO”, “COMPRAR”, “ABRIR” (se já a tivessem instalada), ou “INSTALAR” (se já a tivessem instalado antes alguma vez). E foi precisamente essa ultima opção que desapareceu. Tanto na App Store dos iDevices como no iTunes dos PC/MAC. Agora tudo aparece como GRATUITO ou COMPRAR (ou ABRIR se a tivermos instalada).

IMG_0227

Parece à primeira vista uma coisa inofensiva que não fazia assim tanta falta, não parece? Mas não. Era algo que fazia mesmo MUITA falta e dava IMENSO jeito. E porquê? Porque era uma forma de diferenciar as coisas que já tínhamos instalado antes, das que nunca instalámos.

“E qual é o interesse de saber isso?”, perguntam vocês.

Pois, é que agora nesta altura do ano há imensas apps que passam a ser gratuitas apenas durante um dia ou dois. Quem fizer download delas durante esse período, fica com elas de borla para sempre. Mesmo que as eliminem ou desinstalem, elas continuam de borla e podem voltar a fazer download mesmo quando essa promoção acabar e elas voltem a ser pagas. Tenho instaladas muitas apps pagas, que as adquiri gratuitamente desse modo, durante essas promoções. Centenas e centenas de euros que poupei!

Eu tinha uma estratégia para saber quais as apps de borla do dia, que era ter o TOPfree das apps todo instalado pelo menos uma vez. A maior parte dessas apps apaguei-as logo a seguir a tê-las instalado porque não tinham grande interesse (nenhum interesse na maioria delas), mas ficaram logo com a opção “INSTALAR”, em vez de “GRATUITO”, logo eu ao ir ao TOP simplesmente nem olhava para elas, porque já as tinha instalado antes e sabia que não me interessavam. Sempre que aparecia alguma app com a indicação “GRATUITO” em vez de “INSTALAR” eu sabia logo à partida que era uma dessas apps em promoção e instalava-a!

O que se passa, é que agora não tenho forma de diferenciar o que passou a ser promocionalmente gratuito durante um dia ou dois, do que sempre foi gratuito (e que eu já tenho), pois tudo agora está como “GRATUITO” no TOP! E assim perco excelentes oportunidades.

Captura de ecrã 2012-12-26, às 07.57.30

O que se passa com a Apple nos últimos tempos?

Saca-rolhas

(post com bolinha no canto superior direito)

myWPEdit Image

Tive a infelicidade de dar por mim a ver as noticias da TVI24 pela primeira vez em imenso tempo (ou melhor… desde sempre!). Não sei como canais DE MERDA como este são autorizados a estar no ar. Os noticiários da TVI24 são basicamente o mesmo que os da TVI, mas ainda mais concentrados em termos de violações, mortes, apedrejamentos, degolações ao vivo, finais do mundo, gangnam style (a que eles chamam gangbang style, deve ser algum fetiche deles) e outras noticias choque que tais que atraem leitores do Correio da Manhã e espectadores da Casa dos Segredos. Ou seja, ainda conseguem ser piores do que a TVI.

Mas o mais ridículo é a frase que está neste momento a correr em rodapé: “Renato Seabra – O jovem manequim foi declarado culpado e terá pena de 25 anos de prisão”. Isso e o especial de informação que está a dar há largos minutos acerca do caso.

O JOVEM MANEQUIM??? Só porque é um puto da classe alta já tem o direito a ser tratado pelo nome próprio, e por adjectivos “fofinhos” para que as velhas tenham pena dele e vão para o facebook dizer “coitada da mãe” como se os outros criminosos do mundo fossem todos órfãos excepto ele? Ou como se ele fosse menor de idade? Se fosse um preto feio cheio de tranças no cabelo que ouve kuduro de um bairro social não lhe era dada qualquer atenção, ao invés disso era tratado por “o assassino”, “o criminoso”, “o monstro”. Mas como é um puto branco bonito que parece mais novo do que é na verdade, que usou o velho para ter fama, e que de seguida o matou quando o velho se fartou de ser usado pelo puto e acabou a relação homosexual QUE AMBOS QUISERAM TER, já é o pária, o herói que matou o velho paneleiro, o rei. Mas que merda de televisão é esta? Mas que merda de gente é esta que vê esta televisão? Mas que merda de gente é esta que FAZ esta televisão? A TVI24 é um dos piores canais de todos os quase 200 que tenho na grelha da ZON, senão o pior.

Felizmente que o crime desse monstro foi cometido nos EUA e que ele foi acusado lá. Porque se fosse extraditado para esta republica das bananas (como a familia quis por razões óbvias que vou dizer a seguir) já tinha vindo um advogado qualquer corrupto meter recursos uns atrás dos outros até que o caso fosse anulado e o criminoso fosse posto em liberdade como se nada fosse. Não era a primeira vez. Não sería a ultima.

Volto a frisar este ponto: O Renato Seabra nunca foi obrigado a andar com o Carlos Castro. Nunca gostei do Carlos, mas desta vez tenho que lhe dar razão porque estava a ser usado pelo Renato, e não o contrário. Senão veja-se quem é que dos dois afinal era uma das figuras mais conhecidas e famosas do jet7, e quem é que dos dois não passava de um manequim desconhecido.

Admito que sou um pouco homofóbico e custa-me a falar e a aceitar este tipo de relações, mas veja-se a verdade como ela é. Ambos eram homosexuais e ambos quiseram andar um com o outro. Nenhum dos dois foi obrigado, e o Renato assassinou o Carlos quando este quis terminar a relação. Simples. Ponto final.

Apple – O imp€rio

Antes de mais, devo dizer que sou actualmente utilizador da Apple. Tanto em computador portátil como em telemóvel e tablet. Mas já sou utilizador de informática em termos de computadores (PC) desde finais dos anos 80 ainda antes de existir windows 3.11 e haver internet em casa como todos temos hoje até no telemóvel. Portanto penso poder uma visão imparcial do que se passa nos últimos tempos com a Apple.

Steve Jobs criou todo o império da Apple que conhecemos hoje em dia. Foi um visionário em termos de usabilidade, facilidade de uso, e design. Tanto nos seus aparelhos como nos seus sistemas operativos e software. Sempre foi assim desde o inicio. Nisso todos temos a mesma opinião, penso eu.

Mas quando a Apple mudou radicalmente e passou a ser pioneira, foi por volta de 1999, aquando do lançamento dos primeiros imac e ibook. Nunca se tinha visto a informática tão voltada para os utilizadores como até eles aparecerem. Era sempre uma coisa cinzentona, os computadores eram basicamente rectangulos cinzentos de meio metro de altura ao lado de um monitor quadradão. “Feios quanto baste”. A Apple veio mudar isso. Agora eram bonitos, bastante avançados para a altura, e com o recém chegado OSX. Ainda nos PC’s só existia o Windows98. Mas eram bastante mais caros que os PC’s, por isso sempre foram vistos como produtos de elite, só para quem tivesse mais posses.

Passado pouco tempo lançou o iPod. Sim, já existiam uns leitores de mp3, lembro-me perfeitamente de um grande da creative que parecia um diskman de CDs e mais uns quantos de outras marcas. Mas eram feios, e mais uma vez a Apple com o seu design e modo de uso (com a clickwheel sensível ao toque) veio revolucionar tudo. Mas mais uma vez, eram caros.

Até 2006 houve uns quantos updates aos produtos deles mas houve então algo que mais uma vez veio revolucionar tudo, com o iPhone original (o que não tinha 2G e era em alumínio). Sim, já existia meia dúzia de bons telemóveis com touchscreen, sim. O Ericsson R380s foi o meu primeiro com touchscreen, aí por volta de 2000, andava eu no secundário. Nem era a cores, ainda não existia nada disso nos telemóveis! Mas era bonzito para a altura. Tal como o Sony Ericsson P800 ou o Qtek 2020 que comprei na optimus praí em 2003 ou 2004 (sim, eu sou mesmo “maluco” por telemóveis e é raro passar mais de 6 meses com o mesmo, lol). Mas nada que se comparasse à sensibilidade de toque no ecrã do iPhone. NADA. E sim, a Nokia já tinha uma loja de aplicações antes de existir a appstore da Apple, mas mais uma vez, nada se comparava à quantidade de aplicações (umas boas, outras nem por isso na altura) nem à facilidade de uso e integração no sistema operativo. Tudo se fazia a partir do iPhone. Sim, basicamente o que todos fazemos hoje em dia, mas em 2006 tudo isso era uma novidade que nos trouxe o que temos hoje.

A partir daí a Apple estagnou. Nunca mais lançou nada de revolucionário, ao contrário do que ela quer sempre mostrar em cada novo produto que apresenta.

O iPad 4, por exemplo. O que tem de especial? É apenas um iPhone XXL que não faz chamadas e tem uma câmera pior que a do iPhone! E em relação ao iPad 3 apenas muda a ficha do carregador. Mas mais caro.

O iPad mini? É apenas um iPhone XL que não faz chamadas e tem um ecrã e uma câmera um pouco piores que o iPhone. E daqui a uns meses a Apple está a lançar um “iPad mini 2” só para ter um ecrã retina como o do iPhone. Mas mais caro.

O macbook pro retina? É apenas um macbook pro com o ecrã retina do iPhone. Mas sem drive óptica (digam adeus aos CD/DVD). Mas mais caro.

O Macbook air? É apenas um macbook sem drive óptica. Nem disco rigido. Nem bateria removível. Nem (…). Mas mais caro.

Ou seja… A Apple nos últimos anos aproveita para fazer lucro com a tecnologia que já tem, mas não lança nada de realmente inovador. E com o que tem lançado, aproveita para ir vendendo primeiro as coisas “podres” porque sabem que têm uma legião de “appletards” que correm logo para as lojas nos dias de estreia e compram tudo o que a Apple lança, seja bom ou mau.

Veja-se o caso do iPad mini acabado de sair, que podia já vir com ecrã retina tal como os outros iDevices todos (iPhone, iTouch, e iPad), mas preferiram lançar primeiro esta versão “não tão boa” que vende que nem ginjas, apesar do ecrã, e ser mais que certo que no verão de 2013 a Apple anuncie um novo “super-hiper-mega-iPad mini que é o melhor que já se fez até então”. Pois. E o pior é que vai vender ainda mais que este. E os Appletards que compraram o iPadMini1 vão querer comprar o novo porque tem um ecrã melhor. E compram. E a Apple agradece.

E por falar em iPhone… Porque razão é que a Apple só agora com o iPhone5 aumentou o tamanho do ecrã para umas razoáveis 4 polegadas quando todos os outros aparelhos andam acima das 4,3 já há mais de 2 anos para esta parte? Simplesmente esticaram um iPhone4, trocaram a ficha do carregador, e lançaram-no. E vende que nem pãezinhos quentes porque é o melhor “super-hiper-mega-iPhone” feito até então. Pois.

Ou então falemos em termos de software. O OSX Mountain Lion. É apenas um Lion, mas que não deixa ser instalado nos macs mais antigos, obrigando-os a comprar um mac novo se os donos quiserem continuar a poder instalar aplicações novas. Não é que os macs não tenham capacidade para correr o novo sistema operativo, pois até correm o Windows8 de 64 bits que acabou de sair, é apenas porque a Apple quer obrigar essas pessoas a comprar um mac novo.

Já perceberam o meu ponto de vista? A Apple está a perder qualidades, pois com o falecimento de Steve Jobs a Apple nunca mais lançou nada de revolucionário, apenas tem feito melhoramentos ao que já existe (poucos, já que em termos de design nunca mais houve) e vai fazendo dinheiro com isso, desesperadamente obrigando os seus utilizadores a gastarem dinheiro nela. Não sabem mais o que lançar pois ficaram sem novas ideias, por isso apenas nos vão vendendo “palha”. Espero que a Apple não se torne na nova “Microsoft-até-há-pouco-tempo” (porque até essa está a ter algumas inovações engraçadas como o windows phone e windows8).

A TARTARUGA EM CIMA DO POSTE

Enquanto suturava um ferimento na mão do velho Adriano Moreira, cortada por um caco de vidro indevidamente jogado no lixo, o médico e o paciente começaram a conversar sobre o país, o governo e, fatalmente, sobre o Passos Coelho.

O bom velhinho disse: “Bom, o senhor sabe… o Passos Coelho é como uma tartaruga em cima dum poste…”.

Sem saber o que o Adriano quis dizer, o médico perguntou o que
significava uma tartaruga em cima dum poste.
E o Adriano respondeu:
“É quando o senhor vai indo por uma estradinha, vê um poste e lá em 
cima tem uma tartaruga tentando se equilibrar. Isso é uma tartaruga num poste”.

Diante da cara de interrogação do médico, o velho acrescentou:

Você não entende como ela chegou lá;
Você nem quer acreditar que ela esteja lá;
Você sabe que ela não subiu para lá sozinha;
Você sabe que ela não deveria nem poderia estar lá;
Você sabe que ela não vai fazer absolutamente nada 
enquanto estiver lá;

Você não entende porque a colocaram lá;

Então tudo o que temos a fazer é ajudá-la a descer de lá, e providenciar para que nunca mais suba, pois lá em cima definitivamente não é o lugar dela.

Soares NÃO é fixe!

Há por aí alguma noção a ler o blog?
É que agradecia que calasse de uma vez por todas aquele gajo irritante. Está a ficar cada vez mais chéché com a idade.

Entretanto também falei com um policia, que o multou por excesso de senilidade, mas o bochechas respondeu que quem ía pagar a multa era o estado. Não há nada nem ninguém que cale o velho, irra!

mariosoares

Segundo noticias de hoje, Soares afirma isto:

“com o povo desesperado e em grande parte na miséria, Pedro Passos Coelho corre imensos riscos”

Não sei se é da idade ou do alzheimer, mas eu relembro-lhe do que aconteceu nos anos 80 quando ele estava na posição de Passos Coelho: EXACTAMENTE O MESMO. Em 1984, era ele primeiro ministro, e já o FMI andava cá neste país à beira mar plantado. E se agora sentimos dificuldades para sobreviver mais um dia, naquela altura era ainda mais dificil. É giro falar mal dos outros politicos actuais quando o povo já se esqueceu do teu passado, não é bochechas?

E lembrar-me de coisas ditas por ele há menos de um ano deste género:

Passos é “uma pessoa bem-intencionada com quem se pode falar”

Será que foi o mesmo Mário Soares? Não terá sido um engano da redacção do jornal? Ou então houve algo que o fez ficar revoltado com Passos Coelho. Terá sido isto?

Fundação Mário Soares vai ter corte de 30%

É que foi precisamente desde essa altura que ele se transformou no revoltado que todos conhecemos hoje, a incitar a violencia, a pedir a demissão do governo, a cuspir culpas em todas as direcções. Mas será que isso não é para despistar o povo das culpas que ele mesmo tem? É que caso não saibam, foi ele quem quase que obrigou Sócrates a pedir ajuda ao FMI/TROIKA.

Soares é perigoso. É daquele tipo de pessoas que quando vai a um restaurante e lhe perguntam o que deseja para a sobremesa, responde mousse de chocolate. Quando o empregado lha traz, mete-lhe um processo em cima porque afinal o que ele queria era um leite creme. Mas não admite que se enganou.

Mário Soares sobre a Troika: “”…o povo português odeia a ‘troika’, é vítima da ‘troika’, na carne.  (…) Em tudo a ‘troika’ é responsável e, naturalmente, o Governo que está  ao lado da ‘troika’”,”

Mário Soares gabando-se de ter convencido Sócrates a chamar a Troika: “”Tive uma discussão com ele gravíssima, porque queria que ele pedisse o apoio e ele não queria. Falei muito com ele durante muito tempo, duas horas ou três, discutimos brutalmente mas amigavelmente, eu a convencê-lo e ele a não estar convencido”

Ou seja, culpa o actual governo (PSD e Passos Coelho) por estarmos como estamos actualmente, mas não admite (ou então esquece-se de o fazer) que foi ele quem nos meteu como estamos. Giro.

Vou citar só mais algumas frases ditas por ele em 1984, só para relembrar os mais antigos, ou para abrir os olhos aos mais novos:

Os problemas económicos em Portugal são fáceis de explicar e a única coisa a fazer é apertar o cinto”. DN, 27 de Maio de 1984

“Não se fazem omoletas sem ovos. Evidentemente teremos de partir alguns”. DN, 01 de Maio de 1984

“Quem vê, do estrangeiro, este esforço e a coragem com que estamos a aplicar as medidas impopulares aprecia e louva o esforço feito por este governo.” JN, 28 de Abril de 1984

“Quando nos reunimos com os macroeconomistas, todos reconhecem com gradações subtis ou simples nuances que a política que está a ser seguida é a necessária para Portugal”. Idem

“Fomos obrigados a fazer, sem contemplações, o diagnóstico dos nossos males colectivos e a indicar a terapêutica possível” RTP, 1 de Junho de 1984. Idem, ibidem

“A terapêutica de choque não é diferente, aliás, da que estão a aplicar outros países da Europa bem mais ricos do que nós” RTP, 1 de Junho de 1984

“Portugal habituara-se a viver, demasiado tempo, acima dos seus meios e recursos”. Idem

“O importante é saber se invertemos ou não a corrida para o abismo em que nos instalámos irresponsavelmente”. Idem, ibidem

“[O desemprego e os salário em atraso], isso é uma questão das empresas e não do Estado. Isso é uma questão que faz parte do livre jogo das empresas e dos trabalhadores (…). O Estado só deve garantir o subsídio de desemprego”. JN, 28 de Abril de 1984

“O que sucede é que uma empresa quando entra em falência… deve pura e simplesmente falir. (…) Só uma concepção estatal e colectivista da sociedade é que atribui ao Estado essa responsabilidade. Idem

“Anunciámos medidas de rigor e dissemos em que consistia a política de austeridade, dura mas necessária, para readquirirmos o controlo da situação financeira, reduzirmos os défices e nos pormos ao abrigo de humilhantes dependências exteriores, sem que o pais caminharia, necessariamente para a bancarrota e o desastre”. RTP, 1 de Junho de 1984

“Pedi que com imaginação e capacidade criadora o Ministério das Finanças criasse um novo tipo de receitas, daí surgiram estes novos impostos”. 1ª Página, 6 de Dezembro de 1983

“Posso garantir que não irá faltar aos portugueses nem trabalho nem salários”. DN, 19 de Fevereiro de 1984

“A CGTP concentra-se em reivindicações políticas com menosprezo dos interesses dos trabalhadores que pretende representar” RTP, 1 de Junho de1984

“A imprensa portuguesa ainda não se habituou suficientemente à democracia e é completamente irresponsável. Ela dá uma imagem completamente falsa.” Der Spiegel, 21 de Abril de 1984

“Basta circular pelo País e atentar nas inscrições nas paredes. Uma verdadeira agressão quotidiana que é intolerável que não seja punida na lei. Sê-lo-á”. RTP, 31 de Maio de 1984

“A Associação 25 de Abril é qualquer coisa que não devia ser permitida a militares em serviço” La Republica, 28 de Abril de 1984

“As finanças públicas são como uma manta que, puxada para a cabeça deixa os pés de fora e, puxada para os pés deixa a cabeça descoberta”. Correio da Manhã, 29 de Outubro de 1984

“Não foi, de facto, com alegria no coração que aceitei ser primeiro-ministro. Não é agradável para a imagem de um politico sê-lo nas condições actuais” JN, 28 de Abril de 1984

“Temos pronta a Lei das Rendas, já depois de submetida a discussão pública, devidamente corrigida”. RTP, 1 de Junho de 1984

“Dentro de seis meses o país vai considerar-me um herói”. 6 de Junho de 1984

E não, desta vez não vou falar dos diamantes e do marfim que ele e o seu filho (João Soares) receberam de Jonas Savimbi e da UNITA em Angola como luvas para fechar os olhos á corrupção daquele país. Quanto a esse assunto deixo outra oportunidade para poder aprofundar o tema.

 

Abreijos =)

Hypes

Se há coisa que me faz cócegas aos neurónios, juro que é entrar em qualquer loja ou espaço de musica nos hipermercados e centros comerciais e ver os CDs que estão no TOP de vendas. Entro num estado psicológico tal que não sei se hei-de rir ou chorar. Mas ainda pior é ligar o rádio em qualquer estação que passe musica “comercial” ou qualquer estação das grandes “cidades” (sentiram o sarcasmo? Digam lá que sim!) e sentir os tímpanos a gritar de dor com musicas sul coreanas como a Gangnam Style do PSY. É que nem sequer compreendo porque razão passam aquilo nas rádios! É para as pessoas treinarem a coreografia? Uma espécie de Karaoke de dança? Não vejo qualquer outra hipótese, já que é a unica coisa que poderá suscitar algum interesse..! Ou vão mesmo cuspir-me para os olhos a desculpa que percebem alguma coisa do que ele está para ali a dizer?
Aposto que as pessoas que compram esse tipo de musica e que deliram sempre que passa nas rádios são as mesmas que dizem que a musica portuguesa não presta.
Mas não, não vou culpar as pessoas porque a culpa é das rádios de merda (em bold, para se ver bem!) que nós temos em Portugal. São elas que fazem as opiniões das pessoas acerca da musica actual. Não é por uma musica ser um sucesso na internet – QUE O É – (derivado ao videoclip e à coreografia) que ela pode passar nas radios ou até ser mais divulgada mais que a nossa (excelente) musica nacional! Mas não é de admirar muito, quando nos lembramos a que grupo pertence tanto a rádio comercial como a rádio cidade. Sabem? Sim, o mesmo que a TVI, a Mediacapital. Está tudo explicado agora?
Nem se preocupam que ninguém perceba patavina da letra, viram o sucesso que a musica atingiu no youtube e simplesmente cuspiram-na para as rádios assim como quem não quer a coisa, pensando que as audiencias do youtube iam também para as rádios, atrás da musica. Não importa que ninguém perceba nada, o que importa são as audiencias que lhes enchem os bolsos!
Tal como os programas da TVI (digam lá que não estavam à espera desta) que fazem de tudo para ser lideres de audiencias. E não, não vou bater outra vez no ceguinho. Mas digam lá que não notam um padrão em tudo o que vem dos lados da TVI e do seu grupo…

Mas voltando ao tema principal… Agora que o hype do Michel Teló já passou, o hype dos LMFAO idem aspas (mas só quem ainda não notou isso foi a acéfala da Popota), até quando é que vai durar este hype do PSY? Aceitam-se apostas.
E por falar em Popota e em PSY, já estão a ver qual vai ser a musica de natal de 2013, não estão? Pois…

Abreijos =)

Gerações

VOCÊS FAZEM-ME SENTIR COTA!

Muitos dos que vão ler isto possivelmente não se lembrarão do tempo anterior à sic e tvi. Ou então quando nasceram já esses canais existiam. Por isso julgam que a televisão em portugal sempre foi composta por jornalismo de choque, novelas que se atropelam umas às outras, e programas intelecto e culturalmente nulos. Aliás, a um nível negativo, o que só é possível no género de programas da Endemol.
Mas não. Houve um tempo em que a televisão não era só sangue, mortes, nudez, novelas, pilas, cusquices alheias, Renato Seabra, tripas, Carlos Cruz, mamas, José Sócrates, Freeport, casa Pia, Fernando Mendes, e Goucha. Oh wait… Esqueçam a ultima parte. Esses dois já existiam.
Houve um tempo em que se acordava ao fim de semana de manhã para ver desenhos animados como “as fábulas da floresta verde”, ou “o panda tao-tao”. Tudo era mais humilde, mais amigável, mais feliz, nessa altura. Os desenhos animados não tinham maldade nenhuma, tal como é suposto. E depois havia programas de entretenimento cultural como o “sabadadadu” que era uma espécie de “revista à portuguesa” na televisão. E o “jogos sem fronteiras”. E o “clube dos amigos Disney”. E o “arca de Noé”. E o “Duarte e Ca”. E os “homens da segurança”.

Este slideshow necessita de JavaScript.


Eu, nascido em 1983, considero a minha infância como uma das ultimas gerações realmente felizes e livres. Podíamos ir brincar para a rua até à noite, andávamos de bicicleta pela cidade, jogávamos à bola, ao berlinde e ao pião. Mais tarde apareceram os yoyo’s da cocacola, os pegamonstros das batatas da matutano, os “tou” e as colecções de autocolantes com as raças dos cães nos bollycaos… Oh nostalgia…
Não tínhamos facebook. Nem twitter. Nem telemóveis. Nem computadores. Mas éramos felizes! Para onde foi essa alegria? Passámos a ser mal agradecidos pelo que temos hoje em dia? Se antigamente éramos felizes com tão pouco, porque não o somos hoje com tantas coisas novas que nos ligam uns aos outros? Faltará calor humano? A geração actual deixou de brincar na rua como se fazia até aos anos 90. Sim, ainda brincam na rua, mas 90% do tempo passam-no agarrados aos aparelhos, fechados em casa. Brincam à distancia, falam à distancia, vêm-se à distancia. É um dos podres da tecnologia actual, que aproxima pessoas, mas que ao mesmo tempo as separa através de um ecrã.
No final dos anos 80 começou a aparecer os primeiros desenhos animados “mais violentos” que o costume. O gi-joe, as tartarugas ninja, o He-man… Carregavam porrada a montes. Mas ainda havia desenhos animados como o Capitão América ou o Bocas a instruir alguma cultura e boa disposição à criançada.
No inicio dos anos 90 apareceu a SIC. Trouxe novidades a que não estávamos habituados como o “nunca digas banzai”, “Mogli e o livro da selva” e homens quase nus à porrada (wrestling). Foi o inicio do fim da inocência televisiva portuguesa. E da cultura também, já que sensivelmente desde essa altura que se deixou de ver programas realmente cultos na televisão portuguesa. Sim, de vez em quando lá passa um ou outro, mas é coisa cada vez mais rara. Hoje em dia se quisermos ter cultura e conhecimento somos obrigados a pagar por canais como o Discovery, o National Geographic, ou a SIC Notícias. Todos os canais actuais de sinal aberto apenas passam diarreia mental desculturalizada.
Pouco tempo depois via-se bichonas eléctricas aos saltos e aos gritinhos estridentes a tarde toda de sábado (big show sic), depois passou a ser à noite com gajas com (AINDA) menos roupa, e deixaram a tarde para repetir filmes que toda a gente já viu 748282844 vezes (ainda hoje não largaram essa mania).
Depois, a SIC parece ter descoberto um nicho que faltava no país, pois os directos a partir do aquaparque (morte da criança sugada da piscina), das obras no aeroporto (derrocada) e do garrafão da ponte 25 de Abril (buzinão de manifestação) atingiram níveis de visualização tais, que deram a crer que havia pessoas sedentas de informação em tempo real, coisa que não existia quando apenas existia a RTP. A partir daí, a SIC começou a especializar-se nessa área e culminou no primeiro canal de informação português (CNL, hoje conhecido por SIC Notícias).
Mas antes disso houve o “boom” da violência e da decadência na televisão. Principalmente por desenhos animados como o Dragon Ball. Antes desse, poucos, MUITO POUCOS tinham tanto sangue, porrada, membros mutilados e morte. E tudo isto antes do meio dia, de segunda a sexta…
E daí pra cá tem sido sempre, SEMPRE a piorar. Já nem falo dos Hentai, dos programas decadentes estilo big brother/casa dos segredos/etc. Está tudo à vista de quem quiser ver!
Estaremos nós, portugueses, mais tristes por causa do que as nossas televisões nos fazem ver? Estará a actual geração mais nova, que agora está na idade dos desenhos animados, destinada a ser ainda mais violenta que as duas que a antecederam desde os anos 80? É que eu tenho um irmão de 10 anos e às vezes quando vejo coisas que ele vê nos canais panda e afins, até me arrepio!

Volta inocência. Estás perdoada.

O porquê de eu nunca mais ter postado nada

Olaaa! Estão bonzinhos? Sim? Óptimo!
Antes de mais sinto que devo um pedido de desculpas e um esclarecimento ao pessoal que (ainda) segue este blog musical. Há um motivo para o projecto ter sido abandonado. Aliás, há vários! Mas o principal motivo é derivado à censura por parte do youtube que passava o tempo a apagar os videoclips alojados pelos users. Parece que agora anda mais manso, mas a ideologia youtubista-salazarista ainda lá está. Outros motivos prendem-se com o “boom” do facebook. Agora toda a gente parece ter o seu próprio sítio onde colocar e divulgar musica. Lembro que quando este blog foi criado, em 2005, ainda mal existia o facebook, e mesmo isso era apenas nas univs dos EUA. Foi algo de inovador na sua época, talvez um dos primeiros “mlogs” (music blog) portugueses juntamente com o mlog do Diogo da MTVPortugal (o Brand New). Mas a sua era de ouro chegou ao fim e hoje em dia já não há grande justificação para continuar a apostar no projecto mlog. Não o irei apagar pois foi algo que me acompanhou durante alguns anos e onde desabafei dores e angustias, derrotas e vitorias, alegrias e tristezas. Tudo sem precisar de escrever uma palavra. A música falava por mim. Musica não é só entretenimento, é também a forma de expressão humana mais clara e transparente existente.

Costumo dizer:

Os corpos expressam-se através de letras. As almas expressam-se através da musica.

E com isto, fica posta a pedra em cima do assunto. Mas como sempre, o fim de algo significa o inicio de outra coisa.
Vai ser este o local onde irei escrever algumas coisas de minha autoria. Nada de muito pesado, apenas desabafos do dia a dia. Pelo menos uma vez por semana irei largar material. Vamos ver no que isto irá dar =)

'tás a dormir? 'tás a dormir? 'tás a dormir?

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 2.402 outros seguidores