Apple – O imp€rio

Antes de mais, devo dizer que sou actualmente utilizador da Apple. Tanto em computador portátil como em telemóvel e tablet. Mas já sou utilizador de informática em termos de computadores (PC) desde finais dos anos 80 ainda antes de existir windows 3.11 e haver internet em casa como todos temos hoje até no telemóvel. Portanto penso poder uma visão imparcial do que se passa nos últimos tempos com a Apple.

Steve Jobs criou todo o império da Apple que conhecemos hoje em dia. Foi um visionário em termos de usabilidade, facilidade de uso, e design. Tanto nos seus aparelhos como nos seus sistemas operativos e software. Sempre foi assim desde o inicio. Nisso todos temos a mesma opinião, penso eu.

Mas quando a Apple mudou radicalmente e passou a ser pioneira, foi por volta de 1999, aquando do lançamento dos primeiros imac e ibook. Nunca se tinha visto a informática tão voltada para os utilizadores como até eles aparecerem. Era sempre uma coisa cinzentona, os computadores eram basicamente rectangulos cinzentos de meio metro de altura ao lado de um monitor quadradão. “Feios quanto baste”. A Apple veio mudar isso. Agora eram bonitos, bastante avançados para a altura, e com o recém chegado OSX. Ainda nos PC’s só existia o Windows98. Mas eram bastante mais caros que os PC’s, por isso sempre foram vistos como produtos de elite, só para quem tivesse mais posses.

Passado pouco tempo lançou o iPod. Sim, já existiam uns leitores de mp3, lembro-me perfeitamente de um grande da creative que parecia um diskman de CDs e mais uns quantos de outras marcas. Mas eram feios, e mais uma vez a Apple com o seu design e modo de uso (com a clickwheel sensível ao toque) veio revolucionar tudo. Mas mais uma vez, eram caros.

Até 2006 houve uns quantos updates aos produtos deles mas houve então algo que mais uma vez veio revolucionar tudo, com o iPhone original (o que não tinha 2G e era em alumínio). Sim, já existia meia dúzia de bons telemóveis com touchscreen, sim. O Ericsson R380s foi o meu primeiro com touchscreen, aí por volta de 2000, andava eu no secundário. Nem era a cores, ainda não existia nada disso nos telemóveis! Mas era bonzito para a altura. Tal como o Sony Ericsson P800 ou o Qtek 2020 que comprei na optimus praí em 2003 ou 2004 (sim, eu sou mesmo “maluco” por telemóveis e é raro passar mais de 6 meses com o mesmo, lol). Mas nada que se comparasse à sensibilidade de toque no ecrã do iPhone. NADA. E sim, a Nokia já tinha uma loja de aplicações antes de existir a appstore da Apple, mas mais uma vez, nada se comparava à quantidade de aplicações (umas boas, outras nem por isso na altura) nem à facilidade de uso e integração no sistema operativo. Tudo se fazia a partir do iPhone. Sim, basicamente o que todos fazemos hoje em dia, mas em 2006 tudo isso era uma novidade que nos trouxe o que temos hoje.

A partir daí a Apple estagnou. Nunca mais lançou nada de revolucionário, ao contrário do que ela quer sempre mostrar em cada novo produto que apresenta.

O iPad 4, por exemplo. O que tem de especial? É apenas um iPhone XXL que não faz chamadas e tem uma câmera pior que a do iPhone! E em relação ao iPad 3 apenas muda a ficha do carregador. Mas mais caro.

O iPad mini? É apenas um iPhone XL que não faz chamadas e tem um ecrã e uma câmera um pouco piores que o iPhone. E daqui a uns meses a Apple está a lançar um “iPad mini 2” só para ter um ecrã retina como o do iPhone. Mas mais caro.

O macbook pro retina? É apenas um macbook pro com o ecrã retina do iPhone. Mas sem drive óptica (digam adeus aos CD/DVD). Mas mais caro.

O Macbook air? É apenas um macbook sem drive óptica. Nem disco rigido. Nem bateria removível. Nem (…). Mas mais caro.

Ou seja… A Apple nos últimos anos aproveita para fazer lucro com a tecnologia que já tem, mas não lança nada de realmente inovador. E com o que tem lançado, aproveita para ir vendendo primeiro as coisas “podres” porque sabem que têm uma legião de “appletards” que correm logo para as lojas nos dias de estreia e compram tudo o que a Apple lança, seja bom ou mau.

Veja-se o caso do iPad mini acabado de sair, que podia já vir com ecrã retina tal como os outros iDevices todos (iPhone, iTouch, e iPad), mas preferiram lançar primeiro esta versão “não tão boa” que vende que nem ginjas, apesar do ecrã, e ser mais que certo que no verão de 2013 a Apple anuncie um novo “super-hiper-mega-iPad mini que é o melhor que já se fez até então”. Pois. E o pior é que vai vender ainda mais que este. E os Appletards que compraram o iPadMini1 vão querer comprar o novo porque tem um ecrã melhor. E compram. E a Apple agradece.

E por falar em iPhone… Porque razão é que a Apple só agora com o iPhone5 aumentou o tamanho do ecrã para umas razoáveis 4 polegadas quando todos os outros aparelhos andam acima das 4,3 já há mais de 2 anos para esta parte? Simplesmente esticaram um iPhone4, trocaram a ficha do carregador, e lançaram-no. E vende que nem pãezinhos quentes porque é o melhor “super-hiper-mega-iPhone” feito até então. Pois.

Ou então falemos em termos de software. O OSX Mountain Lion. É apenas um Lion, mas que não deixa ser instalado nos macs mais antigos, obrigando-os a comprar um mac novo se os donos quiserem continuar a poder instalar aplicações novas. Não é que os macs não tenham capacidade para correr o novo sistema operativo, pois até correm o Windows8 de 64 bits que acabou de sair, é apenas porque a Apple quer obrigar essas pessoas a comprar um mac novo.

Já perceberam o meu ponto de vista? A Apple está a perder qualidades, pois com o falecimento de Steve Jobs a Apple nunca mais lançou nada de revolucionário, apenas tem feito melhoramentos ao que já existe (poucos, já que em termos de design nunca mais houve) e vai fazendo dinheiro com isso, desesperadamente obrigando os seus utilizadores a gastarem dinheiro nela. Não sabem mais o que lançar pois ficaram sem novas ideias, por isso apenas nos vão vendendo “palha”. Espero que a Apple não se torne na nova “Microsoft-até-há-pouco-tempo” (porque até essa está a ter algumas inovações engraçadas como o windows phone e windows8).